ENCONTRO DEBATEU SEDE PRÓPRIA PARA A CÂMARA

       A construção de uma nova sede para a Câmara de Vereadores de Francisco Beltrão foi tema de uma reunião realizada nesta semana entre o prefeito Cantelmo Neto, PMDB, o vereador Paulo Grohs, PSDB, presidente do Legislativo, e o advogado Marcelo Miró, presidente da OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, subseção de Francisco Beltrão, que pode ser parceira do projeto. Foi o primeiro passo de um debate que deve se aprofundar nos próximos meses e com grande possibilidade de se tornar realidade, na avaliação destas três lideranças.

      Na semana passada os três estiveram em Curitiba, juntamente com outras lideranças, em audiência com o presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, desembargador Clayton Coutinho de Camargo, para obter informações sobre a construção da nova sede do Fórum da Comarca. Se o projeto fosse executado em outro local e não na sede atual, o objetivo era negociar para que a Câmara fosse instalada onde o Fórum se localiza atualmente. No entanto, veio a confirmação de que será no mesmo local. Quando conheceram detalhes do projeto, os três apoiaram a iniciativa.

       Trata-se de uma obra de 8.998 m2, que será composta de dois blocos com quatro pavimentos cada. O investimento ficará em torno de R$ 23 milhões, dos quais R$ 18 milhões já estão garantidos. Serão mais de 80 vagas de estacionamento. Inclusive Paulo Grohs já tinha se reunido com Clóvis Menger, diretor do Sindicato dos Servidores da Justiça da Comarca, quando foi informado que os servidores apoiam a construção no terreno onde o fórum se encontra atualmente. Com os projetos prontos e os recursos garantidos, as lideranças beltronenses também apoiaram a decisão.

       A partir daí surgiu a idéia de uma parceria entre prefeitura, câmara e OAB para desenvolver o projeto. A prefeitura possui um terreno de 1.500 m2 em frente a Câmara, na esquina das ruas Tenente Camargo e Octaviano Teixeira dos Santos, considerado o local ideal. O objetivo é construir um prédio com pelo menos três andares. O espaço para garagens seria subterrâneo, além da utilização de um pavimento para esta finalidade. A parceria com a OAB significaria redução de custos para o município, já que a Ordem entraria com uma contrapartida. Neto e Grohs explicaram que a medida é necessária porque o espaço físico do prédio da prefeitura não atende a demanda. Se a Câmara mudar de local, o prédio atual, que pertence ao município, seria totalmente utilizado por algumas secretarias municipais. Além da continuidade dos debates, em breve também deverá ser elaborado o projeto. A partir daí os custos da obra serão conhecidos.

%d blogueiros gostam disto: